Notícias

< voltar
26/Dez/2017 - 08:00 - Atualizado em 22/Dez/2017 - 10:02

Anticoncepcional masculino é eficiente, mas não atrai grandes indústrias

Produto desenvolvido na Índia esbarra na dificuldade de encontrar uma empresa que queira vendê-lo


Por Redação

Após anos de pesquisas e testes em seres humanos, deve chegar ao mercado, em breve, o primeiro contraceptivo masculino em mais de um século. Este avanço tecnológico está sendo desenvolvido por uma startup universitária na zona rural da Índia.

Os resultados mostram que o produto é seguro, efetivo e fácil de usar. No entanto, as companhias farmacêuticas não estão muito animadas com a novidade. O novo método contraceptivo para homens poderia chegar a conquistar metade do mercado mundial de anticoncepcionais femininos, de US$ 10 bilhões, e também ficar uma parte dos US$ 3,2 bilhões em vendas anuais de camisinhas.

A técnica para impedir a fertilidade masculina se baseia em um gel de polímero injetado nos vasos que transportam o esperma no escroto. O gel, que tem a consistência de chocolate derretido, possui uma carga positiva que funciona como uma barreira para o esperma, que tem carga negativa, afetando a cabeça e a cauda dos espermatozoides e deixando-os inférteis.

O tratamento é reversível, com uma segunda injeção que rompe o gel. O procedimento tem 98% de eficiência na prevenção da gravidez (similar à taxa de proteção das camisinhas se usadas sempre) e não tem grandes efeitos colaterais, segundo R. S. Sharma, chefe de biologia reprodutiva e saúde materna do Conselho Indiano de Pesquisa Médica.

Califórnia

Uma iniciativa parecida está sendo desenvolvida por pesquisadores da Califórnia. O produto, também em gel, foi testado em 16 macacos machos adultos, 10 dos quais já tinham sido pais.

Os animais foram monitorados durante uma semana com o remédio e liberados em seguida com fêmeas férteis. O acasalamento ocorreu, mas nenhuma das fêmeas ficou grávida ao longo do estudo, que incluiu dois períodos de reprodução completa para alguns animais. Chamada de Vasalgel, a substância pode funcionar por até 10 anos.

#pesquisa#saúde#farmácia#negócios#industriaFavoritar

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.