Notícias

< voltar
07/Jan/2019 - 10:00 - Atualizado em 07/Jan/2019 - 10:31

Células-tronco prometem novos tratamentos para osteoporose

Estudo prevê que células sejam usadas para substituir ossos danificados e tratar doenças esqueléticas degenerativas


Por Alysson Lisboa
Pesquisa foi divulgada na revista Cell por cientistas da Universidade de Stanford, na Califórnia
Crédito: Reprodução da internet

Após décadas de buscas, finalmente pesquisadores conseguiram identificar células-tronco humanas que podem dar origem ao esqueleto de forma confiável. Além dos ossos, essas células podem originar cartilagem e outros tecidos que compõem o esqueleto do corpo. Esse feito pode significar esperanças para tratamento de osteoporose e problemas nas articulações, além de fraturas.

A pesquisa foi divulgada na revista Cell por pesquisadores da Universidade de Stanford, na Califórnia, e teve participação de cientistas de outras importantes instituições de pesquisa do mundo. A equipe já havia identificado essas células em camundongos e, agora, as encontraram também em humanos. Michael Kyba, um pesquisador da Universidade de Minnesota (EUA), especialista em células-tronco, em uma entrevista para a revista Science, afirmou que a descoberta é uma confirmação importante, porque os seres humanos são um sistema muito mais complexo que os ratos.

As células são compostas por uma mistura que pode, além de osso e cartilagem, originar gordura, tecido conjuntivo, vaso sanguíneo, entre outros. Dessa maneira, o desafio era isolar especificamente aquelas que dão origem ao esqueleto.

A pesquisa foi iniciada pelos pesquisadores Michael T. Longaker e Charles K. F. Chan, na Universidade de Stanford, na Califórnia. Eles utilizaram camundongos geneticamente modificados para que células-tronco que dão origem aos diferentes tecidos tivessem cores diferentes. Isso permitiu identificar exatamente quem faz o que. Assim, os pesquisadores foram capazes de identificar aquelas células que formam o esqueleto.

Os pesquisadores investigaram células humanas obtidas de ossos de fetos abortados ou fragmentos ósseos retirados de cirurgias ortopédicas. Eles cultivaram essas células e isolaram as que formavam novos ossos e cartilagens. Em seguida, eles comprovaram que essas células só formavam ossos e cartilagem e não gordura, músculo ou outro tecido.

Osteoporose é um dos problemas que podem ser resolvidos com a evolução da pesquisa
Crédito: Reprodução/Internet


A esperança no tratamento da osteoporose e problemas nas articulações

O estudo prevê que as células sejam usadas para substituir ossos danificados e tratar doenças esqueléticas degenerativas como a osteoporose e problemas nas articulações. Essas células, aparentemente, podem ser estimuladas a partir da gordura que normalmente é descartada após a lipoaspiração. Isso sugere um abundante reservatório potencial de células-tronco para dar sequência a futuras pesquisas e desenvolver terapias.

Embora a aplicação prática seja muito promissora, é preciso vencer alguns obstáculos para transformar a pesquisa em tratamento. Um deles é produzir essas células em quantidade suficiente. Mas não há dúvidas de que foi dado um passo importante nessa direção.

#universidadedestandfordFavoritar

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.