Notícias

< voltar
30/Dez/2016 - 08:00 - Atualizado em 04/Mai/2018 - 11:10

Internet das coisas pode tornar-se política pública no Brasil

Governo estuda implementar medidas já a partir de 2017


Por Redação


A cada dia o mundo digital se posiciona com mais força no mercado global. As mudanças decorrentes do avanço tecnológico prometem ser um diferencial nos próximos anos. Um estudo realizado em 2015 pelo Fórum Econômico Mundial estima que o impacto da economia digital em negócios tradicionais será de US$ 100 trilhões até 2025. Cerca de US$ 25 trilhões serão movimentados somente nos setores elétrico, logístico, automotivo e na indústria de consumo.

100% Nacional

Para o Brasil aproveitar as oportunidades geradas pela economia digital, o investimento em novas tecnologias, como a internet das coisas (IoT, na sigla em inglês), foi apontado por representantes do governo como estratégia promissora para o desenvolvimento social e econômico do País. Durante o seminário “A internet na América Latina e a Contribuição econômica do Ecossistema Digital”, realizado nesta quinta-feira (15), em Brasília (DF), o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) revelou que elabora um estudo sobre IoT, que balizará a criação de políticas públicas.

De acordo com o gerente do Departamento de TIC do BNDES, Ricardo Rivera, o estudo terá um plano de ação que vislumbra medidas a serem implementadas entre 2017 a 2022. Para isso, será feito um levantamento do ecossistema de inovação no Brasil, além de elucidar os impactos que o uso da IoT terá em setores diferentes do País. “Neste contexto se insere parcerias, onde o Brasil pode ser protagonista, além de propor uma política de incentivos para apoiar a implantação dessa agenda, seja com uma nova legislação ou a estruturação de um novo modo de governança”, informou.

O que é?

A Internet das Coisas permite interligar um objeto a vários outros dispositivos inteligentes que interagem entre si e com as pessoas. Segundo Rivera, a IoT pode ser usada em diferentes frentes no Brasil, como por exemplo no agronegócio, para reduzir a perda de produtos. Na saúde pública, poderia auxiliar na informatização do Sistema Único de Saúde (SUS). Também poderia ser utilizada para desenvolver soluções inteligentes para o crescimento ordenado das cidades.

“São diversas oportunidades. A partir disso, surge a questão: onde focar? O olhar do estudo é atacar as questões como segurança, privacidade, conectividade e olhar duas dimensões: onde a IoT vai gerar impacto na sociedade, seja econômico ou socioambiental? Em que área temos vocação para se apropriar financeiramente dessa onda?”, explicou Rivera.

A expectativa do BNDES é que o estudo seja concluído na metade de 2017. No momento, o edital está na fase final, em que será escolhida uma consultoria para auxiliar na pesquisa. “Com o estudo, esperamos  a alteração do quadro regulatório e o aprimoramento de novas forma de financiamento, desenvolvimento de recursos humanos, incentivos fiscais, integração internacional e a criação de um observatório de IoT como instância de governança para tocar e monitorar as novas propostas que vão surgir”, disse o gerente do BNDES.

*Com informações da Agência Gestão CT&I

#inovação#biotecnologia#brasil#governoFavoritar

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.