Notícias

< voltar
02/Mar/2018 - 06:00 - Atualizado em 01/Mar/2018 - 17:32

Nubank é o terceiro unicórnio brasileiro

David Vélez, presidente da startup, anunciou que a empresa já é avaliada em mais de US$ 1 bilhão


Por Redação
David Vélez, fundador e presidente do Nubank, disse que sócios continuam com o controle da empresa
Crédito: Nubank/Nubank

Um grande feito para qualquer startup é atingir a avaliação de US$ 1 bilhão em qualquer lugar do mundo. Empresas como Uber, Spotify e Airbnb são exemplos de ideias inovadoras que criaram bilionários pelo planeta. No Brasil, o aplicativo de transporte 99 se tornou o primeiro unicórnio canarinho. Em seguida, a plataforma PagSeguro alcançou a marca. E agora o Nubank acaba de entrar para o time.

O anúncio foi feito pelo fundador e presidente executivo do Nubank, David Vélez, em entrevista ao jornal Estadão. Vélez garante que os sete sócios da startup permanecem com o controle da empresa, mesmo após várias rodadas de investimento. Em fevereiro, a fintech levantou mais de US$ 150 milhões em sua sexta rodada, liderada pelo DST Global, do russo Yuri Milner.

Fundado em 2013, o Nubank se destacou no mercado com seu característico cartão de crédito roxo e vários diferenciais em relação às instituições tradicionais. Dentre elas, destacam-se a inexistência de agências físicas, atendimento online personalizado e a ausência de anuidade ou taxas de manutenção.

Além do cartão de crédito, a empresa oferece um programa de fidelidade atrelado ao cartão, o Nubank Rewards, e a conta-corrente NuConta, disponível para um pequeno grupo de usuários no período de testes. A ideia da startup é utilizar o aporte da última rodada de investimento para acelerar sua transformação em um banco digital. Ao todo, a empresa já captou quase US$ 330 milhões em seis rodadas de investimento desde sua fundação.

#inovação#startup#nubankFavoritar

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.