Notícias

< voltar
20/Jan/2017 - 09:00 - Atualizado em 20/Jan/2017 - 10:11

Programa de aceleração de startups focado no setor elétrico

Free Electrons, lançado pelo Grupo EDP, está com inscrições abertas até 28 de fevereiro


Por Redação

O Grupo EDP, que atua nas áreas de geração, distribuição, comercialização e soluções em energia elétrica, lançou um programa de aceleração com o objetivo de impulsionar a geração de projetos do setor elétrico.

O Free Electrons Global Accelerator é uma iniciativa global do grupo realizada com outros players mundiais do setor energético. A proposta busca o fomento e a geração de novas ideias relacionadas à energia limpa, eficiência energética, mobilidade elétrica, digitalização, serviços de apoio ao cliente e internet das coisas.

O programa tem duração prevista de seis meses e as startups selecionadas passarão por três módulos de um processo “customer adoption”, focado em empresas do setor de infraestrutura. Cada uma dessas fases será realizada em lugares diferentes: São Francisco/Silicon Valley, Lisboa/Dublin e Singapura.

As inscrições podem ser feitas até 28 de fevereiro. A seleção das startups acontece em março e as 12 escolhidas serão divulgadas no início de abril.

Para se inscrever acesse o site http://www.freelectrons.co./

Parcerias

O programa tem parceria com oito companhias internacionais:

  • AusNet Services
  • Dubai Electricity and Water Authority (DEWA)
  • ESB (Electricity Supply Board)
  • EDP (Energias de Portugal)
  • Innogy
  • Origin Energy
  • Singapore Power (SP)
  • Tokyo Electric Power Company (TEPCO)

A iniciativa conta ainda com o apoio das aceleradoras New Energy Nexus e da Swissnex San Francisco. Os parceiros são líderes do movimento de transição para uma matriz energética limpa em mais de 40 países, representando cerca de US$ 148 bilhões em faturamento.

#startups#acelaraçãoFavoritar

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.