Notícias

< voltar
14/Fev/2019 - 16:00 - Atualizado em 15/Fev/2019 - 15:27

Startup de BH cria plataforma para facilitar compra e venda de precatórios

Mercatório nasceu durante edição do Startup Weekend e passou por programas como Lemonade e Darwin Startups


Por Pedro Matos/SIMI Belo Horizonte/MG

Uma startup mineira está crescendo a partir de uma solução desenvolvida para um mercado pouco conhecido pela população em geral: o de precatórios, que são títulos concedidos a pessoas que ganharam causas judiciais contra o Poder Público.

A Mercatório nasceu em 2016, durante o Startup Weekend, em Belo Horizonte. Foi no evento, inclusive, que os sócios se conheceram. Inicialmente, a ideia era criar um marketplace para precatórios, mas atualmente a empresa oferece uma plataforma com informações atualizadas sobre os mais de R$ 200 bilhões em precatórios disponíveis no Brasil atualmente.

Essa é uma informação valiosa para os bancos e fundos que atuam comprando esses títulos como forma de investimento. “A gente reúne os dados de precatórios e processos judiciais de todos os tribunais do Brasil e disponibiliza na plataforma virtual”, explica Breno Rodrigues, um dos fundadores da startup. Com essa informação, os investidores podem identificar e contactar os proprietários dos títulos para propor o negócio.

Apesar de possuir um rendimento atraente, de até 30% ao ano, muitos proprietários realizam a venda como uma forma de “antecipar” o pagamento pelo precatório, que demora em média 7 anos para ser efetuado.

Rafael Fonseca, Breno Rodrigues, Daniel Rodrigues e Gabriel Moterani estão à frente da Mercatório
Crédito: Mercatório/Divulgação

Por esse motivo, a startup já atua no desenvolvimento de uma nova plataforma destinada a atender o público interessado em vender os precatórios. A expectativa é que ela esteja disponível ainda neste ano.

Programas

Após o Startup Weekend de 2016, a Mercatório participou de outros programas, como Lemonade, Fiemg Lab, Inovativa Brasil e Darwin Startups, de Santa Catarina, na turma de aceleração de 2017 e 2018. Para Breno Rodrigues, esse suporte foi fundamental para o desenvolvimento do negócio. “Participar desses programas nos ajudou a estruturar melhor a ideia. Recebemos apoio com mentorias, conexões e networking. Talvez a gente não conseguiria isso por conta própria”, conclui.

Além de Breno Rodrigues, estão à frente da empresa o advogado Daniel Rodrigues e os desenvolvedores Gabriel Moterani e Rafael Fonseca.

#inovação#startup#investimentoFavoritar

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.