Notícias

< voltar
17/Jan/2018 - 08:00 - Atualizado em 17/Jan/2018 - 13:58

Startup mineira ​​ajuda a transformar ideias em negócios

FriendsLab desenvolve metodologia para alavancar negócios e já movimenta mais de R$ 20 milhões


Por Redação
Juliano Loureiro, Bárbara Andrade, Matheus Santos e Gabriel Salgado são os fundadores da FriendsLab
Crédito: Divulgação

Entre ter uma ideia de negócio e executá-la, existe um grande caminho a ser percorrido. É preciso planejar, ter recursos, conhecimento e experiência. Diante desse desafio, um grupo de amigos se uniu para criar a FriendsLab, uma startup mineira que ajuda na geração e alavancagem de negócios.

Com seu trabalho, a empresa já conseguiu movimentar mais de R$ 20 milhões. Isso graças à metodologia da FriendsLab, que inclui uma série de estratégias focadas na estruturação e organização do negócio, com ênfase nas estratégias digitais e na máxima das startups: um negócio não vende ideias, resolve problemas.

A startup gera condições para que o cliente atinja seus objetivos, por meio do desenvolvimento de estratégias que passam pelo entendimento do negócio, criação e estruturação, viabilidade financeira e, por fim, por ferramentas e estratégias digitais.

Para o cofundador da FriendsLab, Matheus Santos, empresas que não nasceram digitais precisam se transformar para crescerem em ritmo acelerado. “Ninguém tem a fórmula mágica para que o negócio seja bem-sucedido, mas existem algumas estratégias que permitem às empresas crescerem e se destacarem da concorrência”, explica.

Como apenas um ano de vida, a empresa já movimentou mais de R$ 20 milhões e impactou mais de 100 negócios, como por exemplo a AVEP Brasil, uma associação de proteção veicular que teve um crescimento de 300% após passar pela metodologia da FriendsLab.

Para saber mais sobre a FriendsLab, clique aqui.

#empreendedorismo#inovação#startups#negóciosFavoritar

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.