Notícias

< voltar
30/Out/2017 - 00:00 - Atualizado em 18/Mai/2018 - 10:39

UFMG firma convênio com Inep da Guiné Bissau

Acordo prevê iniciativas como produção de livros, realização de eventos, intercâmbio e formação de pesquisadores


Por Redação
Leopoldo Amado, do Inep da Guiné Bissau, foi recebido pelo reitor da UFMG, Jaime Ramírez
Crédito: Raíssa César / UFMG

Com um dos índices de desenvolvimento humano (IDH) mais baixos do mundo e menos da metade da população alfabetizada, Guiné Bissau é um pequeno país da África Ocidental que enfrenta diversos problemas sociais, especialmente na área da educação. Visando estreitar a relação com o país africano, a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) firmou um convênio com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas (Inep) da Guiné Bissau, prevendo iniciativas conjuntas como produção de livros, realização de eventos, intercâmbio de professores e estudantes e um mestrado interinstitucional destinado à formação de pesquisadores guineenses.

O convênio é uma formalização de uma parceria iniciada há um ano, por meio do Centro de Estudos Africanos (CEA) da UFMG. Na conversa com o diretor do Inep, o reitor da Universidade brasileira, Jaime Ramírez, ressaltou a intenção da UFMG de estreitar as relações com países como a Guiné-Bissau, com quem o Brasil tem proximidade linguística e cultural.

A Guiné-Bissau era o único país africano tendo como língua oficial o português com o qual a UFMG não mantinha convênio. No início deste ano, Vanicléia Santos diretora do CEA, esteve na Guiné-Bissau para definir com o Inep os termos do acordo. Na ocasião, foi estabelecido com os gestores da biblioteca do Inep, que tem status de biblioteca nacional da Guiné-Bissau, condições para assessoria em diversos âmbitos, como suporte na informatização do acervo, na organização de bibliografia sobre aspectos da nacionalidade guineense, na implantação de controle bibliográfico e na formação técnica de bibliotecários.

#educação#pesquisa#ciência#parceria#GuinéBissauFavoritar

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.