Notícias

< voltar
20/Mar/2019 - 08:18 - Atualizado em 19/Mar/2019 - 15:14

UFMG obtém duas patentes do campo da nanotecnologia

Cimento nanoestruturado e nanoantena apresentam perspectiva de licenciamento, escalabilidade a alcance de mercado


Por Redação Belo Horizonte/MG
Nanoantena e cimento nanoestruturado garantiram patentes à UFMG
Crédito: Divulgação/UFMG

A Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) anunciou duas pesquisas inovadoras no campo da nanotecnologia que resultaram em patentes para a universidade. O primeiro, o cimento nanoestruturado, já patenteado nos EUA em 2015 e na China em 2016, recebeu carta-patente no Brasil. Já a segunda pesquisa resultou em uma nanoantena que possibilita a análise em alta resolução de estruturas de dimensões nanométricas.

Cimento nanoestruturado

A tecnologia que incorpora nanotubos de carbono ao cimento muda, pela primeira vez, a estrutura do material usado desde o Império Romano. Adicionada molecularmente na matriz cimentícia, a nanofibra de carbono modifica suas propriedades mecânicas após a hidratação, melhorando a resistência à compressão e à tração.

“Hoje sabemos que a adição de 0,3% de nanotubos em compósitos cimentícios aumenta seu modo de tração em 60%. Ou seja, uma pitadinha muda essa propriedade”, resume o professor Luiz Orlando Ladeira, que deu início às investigações nessa rota, diferente de caminhos trilhados anteriormente por pesquisadores de todo o mundo, que tentavam adicionar o componente por meio de mistura física.

Segundo ele, a fibra, em escala nanoscópica, tem ligações carbono-carbono entre seus átomos, a mais forte existente na natureza. “O concreto, feito com cimento, não tem essa propriedade, por isso se usa o aço”, comenta o pesquisador. O concreto produzido com cimento nanoestruturado não dispensa o uso do aço, mas diminui  o seu consumo.

Contudo, o ganho mais significativo é a resistência ao estresse térmico, em que processos de aumento e diminuição de temperatura geram fadiga mecânica, levando a fissurações. “Com esse material, a resistência ambiental aumenta demais. Problemas que ocorreriam em dez anos vão ocorrer em 50. Esse cimento será  o futuro da construção civil”, prevê.

Para uma leitura mais aprofundada, acesse aqui.

Nanoantena

Desenvolvido por pesquisadores da UFMG e do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), o nanoespectrômetro é composto de antena que chega a poucos nanômetros de distância do material, capta suas ondas eletromagnéticas e as transmite como sinal óptico a um software que realiza a análise.

Segundo Ado Jorio, professor e um dos autores do trabalho, não existe nenhuma engrenagem mecânica capaz de movimentar a antena com tamanha precisão. “Para isso, utilizamos material piezoelétrico, que dilata quando submetido a uma diferença de potencial”, explica.

O equipamento mistura técnicas de espectroscopia óptica com as de microscopia por varredura por sonda e possibilita a visualização de átomos e moléculas. A antena está atrelada a uma estrutura para realização de experimentos, visualizações e manipulações na escala nanométrica e pode ser usada tanto para nano quanto para biotecnologia.

Para entender mais sobre a nanoantena, clique aqui.

#pesquisa#tecnologia#ciência#patenteFavoritar

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.