Notícias

< voltar
12/Jan/2018 - 09:57 - Atualizado em 12/Jan/2018 - 11:56

Brasileira cria sistema de dessalinização de água com grafeno e conquista prêmio internacional

A carioca, Nadi Aya, criou dispositivo que garantiria o acesso à água potável para milhões de pessoas


Por Redação

Crédito: Divulgação/Conexão Planeta

O grafeno, matéria-prima considerada revolucionária derivada do carbono, é um material extremamente fino, flexível, transparente e resistente. Acredita-se que ele seja 200 vezes mais forte do que o aço. Considerado excelente condutor de eletricidade, ele é utilizado para a produção de células fotoelétricas, peças para aeronaves, celulares e tem ainda outras tantas aplicações na indústria.

Por ser considerado um dos materiais mais promissores, ele foi selecionado para ter tema do Global Graphene Challenge Competition 2016 - competição internacional realizado pela empresa sueca Sandvik, que busca soluções sustentáveis e inovadoras ao redor do mundo.

E a grande vencedora do desafio foi  a brasileira Nadia Ayad, recém-formada em engenharia de materiais pelo Instituto Militar de Engenharia (IME), do Rio de Janeiro. Seu projeto concorreu com outros nove trabalhos finalistas.

A brasileira desenvolveu um sistema de dessalinização e filtragem de água, que utiliza o grafeno. Com o dispositivo, a engenheira garante que seria possível garantir o acesso à água potável para milhões de pessoas, além de reduzir os gastos com energia e a pressão sobre as fontes hídricas.

Nádia acredita que esta seja a solução para a crise hídrica que deve ser agravar com a crescente urbanização e globalização no mundo e a ameaça das mudanças climáticas. “A previsão é de que num futuro não muito distante, quase metade da população do planeta viva em áreas com pouquíssimo acesso à água”, afirma Nadia. “Há uma necessidade real de métodos eficientes de tratamento de água e dessalinização. Pensei que a natureza única do grafeno e suas propriedades, incluindo seu potencial como uma membrana de dessalinização e suas propriedades de peneiração superiores, poderiam ser parte da solução”.

Como prêmio, a carioca fará uma viagem até a sede da Sandvik, na Suécia, onde encontrará pesquisadores e conhecerá de perto algumas das inovações e tecnologias de ponta sendo empregadas pela empresa. Durante sua passagem, ela visitará também o Graphene Centre da Chalmers University.

Esta não será a primeira experiência internacional de Nadia. A engenheira brasileira participou do programa do governo federal Ciências Sem Fronteiras, quando estudou durante um ano na Universidade de Manchester, na Inglaterra.

Questionada sobre os planos para o futuro, Nadia pretende fazer um PhD nos Estados Unidos ou Reino Unido, pois acredita que, infelizmente, terá mais oportunidades para realizar pesquisas no exterior do que no Brasil.

#pesquisa#GRAFENO#dessalinização#crisehídrica#premiaçãointernacionalFavoritar

Fonte: Conexão Planeta

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.