Notícias

< voltar
15/Mai/2018 - 15:43 - Atualizado em 15/Mai/2018 - 16:09

Cientistas descobrem vida em planeta distante. Será?

Cuidado antes de compartilhar notícias como a do título acima. Fake news estão por toda parte e foi tema do Pint Of Science 2018.


Por Alysson Lisboa/SIMI Belo Horizonte
O pesquisador Bruno Rezende de Souza, da UFMG, ressalta a importância da checagem de notícias antes de se espalhar nas redes sociais
Crédito: Alysson Lisboa/Simi

Você recebe muitas informações nas suas redes sociais falando de ciência como a descoberta de vida em outros planetas? Pesquisa realizada pela Statista, nos Estados Unidos, revela que 65% dos entrevistados já tiveram grandes problemas causados pelas notícias falsas. Cerca de 42% das informações desse tipo chegam das redes sociais, como Facebook e Twitter. Na hora de compartilhar informações, toda cautela é pouca.

Essa avalanche de notícias falsas está cada vez mais em pauta nas redes sociais e os grandes grupos de comunicação já buscam soluções. Por isso esse foi o tema do primeiro dia do Pint Of Science, que lotou a Cantina do Lucas, em Belo Horizonte. O festival acontece simultaneamente em vários bares e restaurantes espalhados pelo mundo. Na capital mineira, foram cinco espaços que recebem de 14 a 16 de maio pesquisadores para tratar de temas relevantes para a sociedade. As pesquisas são apresentadas por mestres e doutores de diversas universidades.

Vinicius Rezende, secretário de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior em exercício, ressaltou a importância do Pint of Science. “Precisamos desmistificar que o cientista está apenas em laboratórios desenvolvendo algo que não será acessível à população. Esse tipo de evento une duas coisas. A primeira é que desenvolvemos conhecimento de ponta. A outra é que gostamos de conversar nos bares, por isso somos reconhecidos como a capital dos botecos”, conclui o secretário.

Ciência na mesa do bar. Cientistas trazem informação para o público na Cantina do Lucas, Centro de BH
Crédito: Alysson Lisboa/Simi

Yurij Castelfranchi e Bruno Rezende de Souza (foto abaixo), professores da UFMG, abordaram o tema Fake News - Me engana que eu gosto. Eles debateram sobre a distribuição deliberada de informações falsas e boatos na rede mundial de computadores com uma linguagem clara, que arrancou aplausos na Cantina do Lucas.

Os pesquisadores Yurij Castelfranchi e Bruno Rezende de Souza abordaram o tema Fake News durante o Pint of Science 
Crédito: Alysson Lisboa/Simi

As pesquisas mais próximas da população

Hoje em dia, nossas escolhas são baseadas em ciência. Para o professor Yurij, precisamos tirar a ciência do pedestal. “Utilizar formas inovadoras de divulgar a ciência é crucial e isso precisa ser feito por meio de debates públicos, colocando a população para discutir e engajar”, afirma o cientista da UFMG.

Combater as notícias falsas entrou na pauta mundial. A União Europeia quer que empresas de comunicação digam por quem são financiadas e como eles pagam para viralizar suas notícias. Uma comissão internacional criada para debater o tema já deixou claro que o problema é bastante grave e não há, ainda, uma solução clara.

"Não vamos ficar livres das mentiras, meias-verdades  e boatos." Para Yurij, maior transparência dos veículos e uma consciência maior da população podem servir como antídoto. No entanto, as notícias falsas são muito difíceis de serem combatidas, porque há novos elementos nessa estrutura, como os grupos familiares que dão, de certa forma, legitimidade às notícias e se espalham rapidamente sem muito controle.

Gregório de Almeida, aluno de doutorado da Fafich (UFMG), participou do evento e ressaltou a importância da discussão. “O Pint of Science traz conteúdos que são relevantes para a sociedade em um ambiente descontraído. Isso quebra um pouco esse gelo acadêmico principalmente para aqueles que não está dentro da faculdade, mas se interessam pela ciência”, conclui Gregório, que estuda exatamente o uso das fake news em seu projeto de doutorado.

Como identificar notícias falsas

Considere a fonte
Clique fora da história para investigar o site, sua missão e contato

Leia mais
Títulos chama a atenção para obter cliques. Qual é a história completa?

Verifique o autor
Faça uma breve pesquisa sobre o autor. Ele é confiável? Ele existe mesmo?

Fontes de apoio
Clique nos links. Verifique se a informação oferece apoio à história

Verifique a data
Repostar notícias antigas não significa que sejam relevantes atualmente

Isso é uma piada?
Caso seja muito estranho, pode ser uma sátira. Pesquise sobre o site e o autor

É preconceito?
Avalie se seus valores próprios e crenças podem afetar seu julgamento

Consulte especialistas
Consulte um bibliotecário ou consulte um site de verificação gratuito

Fonte: International Federation of Library Association in Institutions (IFLA)

#coltecufmg#fakenewsFavoritar

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.