Notícias

< voltar
07/Jul/2020 - 00:00

UFSJ e UFMG criam tecnologia para tratamento de epilepsia

O Inpi concedeu patente à tecnologia desenvolvida por pesquisadores mineiros


Por Da Redação Minas Gerais

O Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi) concedeu patente de uma tecnologia para tratamento da epilepsia a partir de estudos desenvolvidos pelo professores das universidades mineiras Vinícius Rosa Cota (UFSJ) e Márcio Flávio Dutra Moraes (UFMG). 

 Por meio da estimulação elétrica não periódica, os pesquisadores descobriram uma forma mais segura de controlar as crises convulsivas de pacientes que não respondem ao medicamento e não podem realizar cirurgia.

 Classificada como Privilégio de Inovação (PI), a patente concedida faz referência a uma nova abordagem para a estimulação elétrica, tratamento já existente voltado para pessoas com epilepsia que não conseguem controlar as crises convulsivas com remédios e não podem ser encaminhados para cirurgia.

 Nós observamos a questão da estimulação elétrica pelo ponto de vista do sincronismo. Em vez de aplicarmos 100, 130, 200 ou até 300 pulsos no sistema nervoso do paciente para poder tratar eficientemente a epilepsia, nós conseguimos reduzir para quatro pulsos?, explica o professor do Departamento de Engenharia Elétrica (Depel-UFSJ) Vinícius Cota.

 Cota diz que, além da pequena quantidade, os pulsos são não periódicos. A gente bagunçou esses pulsos dentro do segundo. Em vez de ser uma estimulação ritmada nos disparos, ela segue muito a desordem que existe na natureza. É como se a gente estivesse restituindo no cérebro sua atividade naturalmente desorganizada, comenta. A aplicação desse microchoque elétrico ocorre por meio de um dispositivo implantável e age no sistema nervoso central, especificamente nas amígdalas cerebelosas (grupo de neurônios reguladores de emoções básicas).

 Essa nova técnica é mais segura, uma vez que a carga de energia elétrica liberada é menor e a durabilidade do dispositivo é, portanto, maior, ressalta Vinícius. Uma série de efeitos decorrentes da passagem de corrente elétrica no tecido neural passam a ser minimizados, porque você está gastando apenas 1/25 da quantidade de pulsos que geralmente precisaria nas outras metodologias de estimulação elétrica, completa.

Quer saber mais? Visite o site da UFSJ.

#ufmg#UFSJ#INPI#CiênciaEmMinasFavoritar

Fonte: https://www.ufsj.edu.br/noticias_ler.php?codigo_noticia=7672

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.