Notícias

< voltar
12/Jun/2017 - 13:56 - Atualizado em 14/Jun/2017 - 11:16

Vinhos brasileiros premiados na Europa têm tecnologia desenvolvida pela Epamig

Cinco dos vencedores do Decanter World Wine Awards 2017 contam com o uso de técnica elaborada em projeto de pesquisa de órgão mineiro


Por Redação Belo Horizonte

Engana-se quem pensa que Minas é apenas a terra da cachaça ou do pão de queijo. Atualmente, o estado está ganhando fama de “Bélgica Brasileira" devido à sua alta produção de cervejas artesanais. Mas agora o vinho tem projetado o nome do estado internacionalmente. Prova disso é o resultado do prêmio Decanter World Wine Awards 2017, em Londres. Dos 27 vinhos brasileiros, cinco são elaborados com a tecnologia da dupla poda, desenvolvida no Núcleo Tecnológico Uva e Vinho da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), em Caldas, no Sul do estado.

O sucesso na premiação internacional deste ano é resultado de um trabalho de pesquisa de sucesso da Epamig, que aperfeiçoou a qualidade dos vinhos finos produzidos no Brasil em propriedades no Sul de Minas, Rio de Janeiro e São Paulo. Só em Minas, cerca de 2,5 milhões de litros de vinho são elaborados, incluindo tintos, brancos e espumantes com a técnica dupla poda - a inversão do ciclo produtivo da videira, alterando para o inverno o período de colheita das uvas destinadas à produção de vinhos.

Sendo assim, são realizadas duas podas - uma de formação dos ramos no mês de agosto, e outra de produção no mês de janeiro -, destaca o pesquisador Murillo Albuquerque Regina, responsável por desenvolver a ideia. De acordo com ele, a combinação de elementos: tempo seco, dias ensolarados e noites frias ocasionam alterações na colheita de uma uva sã, de maturação plena, que apresentam mais aroma e maior concentração de cor, o que contribui para o incremento da qualidade do vinho. A iniciativa inovadora de se produzir vinhos finos na Serra da Mantiqueira teve início em regiões tradicionalmente cafeeiras como uma alternativa para diversificação de renda.

Segundo a enóloga da Epamig, Isabela Peregrino, a vinícola Experimental de Caldas tem funcionado como "incubadora" no processamento de uvas de produtores de Minas Gerais e de outros estados. Atualmente, são cerca de 20 produtores incubados.


Vinho mineiro de boa qualidade

O vinho Maria Maria Bel Sauvignon Blanc 2015, vencedor da categoria bronze, é de Três Pontas. A uva é plantada na Fazenda Capetinga, do produtor Eduardo Junqueira, e processada na vinícola Experimental da Epamig em Caldas.

Segundo o produtor do Maria Maria (que tem esse nome em homenagem ao cantor Milton Nascimento), Eduardo Junqueira, a primeira safra foi produzida em 2013 e que enviou a de 2015 para participar de um concurso pela primeira vez em sua vida. Saiu vencedor.

O produtor, que embarca no fim do mês para Londres para receber a premiação, afirma que é muito gratificante esse reconhecimento. "Foi uma decisão muito acertada ter selado essa parceria com a Epamig, que veio desde a compra de mudas, e dura até hoje, com assessorias técnicas remotas do órgão aqui na minha propriedade.” Nas visitas, os técnicos avaliam a qualidade da fruta, provando o sabor. Caso percebam algum defeito na uva, como textura ou gosto alterados, são indicados ajustes no solo, aumento ou diminuição de irrigação, diferente adubação, entre outros procedimentos.

Decanter World Wine Award

O prêmio Decanter World Wine Award 2017 foi organizado pela revista inglesa Decanter – uma das mais tradicionais e respeitadas publicações sobre vinhos no mundo. Contou com avaliação de mais de 17 mil vinhos, julgado por 219 experts, contando com 65 mestres de vinhos e 20 mestres sommeliers.

#fapemig#minasgerais#biotecnologia#premiação#epamig#vinhoFavoritar

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.